Luciano Huck Nenhuma surpresa - Paulo Vasconcelos

Luciano Huck? Nenhuma surpresa

A aprovação ao nome do apresentador e presidenciável Luciano Huck, mostrada em recente pesquisa Barômetro Político Estadão-Ipsos, foi tratada pela mídia como surpreendente. Digo, como venho dizendo desde 2015, que não há nenhuma surpresa neste caso. A se confirmar sua candidatura à presidência em 2018, a intenção de voto em Huck poderá dobrar com poucos dias de campanha. E por qual razão? Porque ele é famoso, conhecido. Simples assim.

Não faz muito tempo, escrevi um texto em que dizia que as próximas eleições, muito provavelmente, vão ficar na história como o pleito que vai eleger um grande número de candidatos famosos e alguns por serem somente ricos. Isso porque, com o prazo reduzido da campanha na TV e no rádio, e com recursos mais escassos, por conta das mudanças na legislação eleitoral, sairão na frente os candidatos endinheirados e as celebridades. É o caso de Huck, que é tanto famoso quanto rico.

Huck que é tanto famoso quanto rico - Paulo Vasconcelos

O endinheirado porque a campanha continuará custando dinheiro. Se o candidato for de São Paulo ou de Minas, terá que viajar a semana toda por milhares de quilômetros. Quem o fizer de avião terá grande vantagem. Mas, avião custa caro. E ele ainda terá que organizar eventos que vão exigir som, palco e toda uma parafernália, além de produzir material de campanha. Tudo isto custa dinheiro e ele não existirá para os comuns dos candidatos.

Aliás, tenho abordado esse fenômeno dos candidatos “outsideres” desde 2015. Já naquela eleição, o rico e o famoso começavam a ganhar espaço na cabeça do eleitor. O jornalista Lucas Mendes, comandante do programa Manhattan Connection, registrou este meu diagnóstico à época.

Os casos mais emblemáticos daquela eleição, que comprovam minha tese, foram A