Desilusão - Paulo Vasconcelos

Desilusão

Não sei se o caro leitor já prestou atenção, mas a metade dos eleitores do Brasil está sinalizando que não vai participar da próxima eleição presidencial, de acordo com levantamento feito pelos institutos de pesquisa. É algo assustador. Significa dizer, se for confirmada a tendência, que cerca de 75 milhões de pessoas ou não vão comparecer às urnas no dia 7 de outubro (abstenções) para escolher o futuro mandatário do país, ou vão simplesmente anular ou votar em branco.

A criminalização da política ?

São muitas as razões que explicam esse desalento do eleitor. Mas ouso dizer que a principal delas é a criminalização da política (que não deve ser confundida com a criminalização de políticos), que se alastrou como praga no país nos últimos anos, em boa parte com a ajuda de uma parcela considerável da mídia.

A cobertura por vezes espetaculosa de alguns fatos por parte da imprensa, o pré-julgamento que se faz dos acusados, que não raro são apontados nas páginas dos jornais como culpados, sem sequer terem sido julgados, acaba estimulando o ódio contra a política e contra os políticos.

Uma grande desilusão do eleitorado

A eleição suplementar para o governo do Amazonas, realizada em agosto do ano passado, já apontava para uma grande desilusão do eleitorado. No segundo turno da eleição no Estado, quase 50% do eleitorado não apareceu para votar, ou votou branco e nulo, conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No início de junho, os eleitores de Tocantins tiveram que voltar às urnas para escolher o novo governador do Estado, uma vez que o anterior, Marcelo Miranda, teve o mandato cassado. No primeiro turno, o número de votos brancos, nulos e abstenções chegou a 49%. No segundo turno, fechou em 43,5%.

De lá para cá, as pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial mostram que essa desilusão com os políticos pode resultar num número recorde de votos brancos e nulos e de pessoas que simplesmente não se darão ao trabalho de deixar suas casas para votar.

Foi o que mostrou pesquisa Datafolha divulgada no último domingo. Em alguns cenários pesquisados, o número de eleitores que se dizem dispostos a votar em branco ou a anular bate na casa dos 40%. Foi o que mostrou também pesquisa publicada recentemente pelo site Poder360.

Tirania vs Populismo ?

Por mais que não gostemos da grande maioria dos nossos políticos, impossível viver numa democracia sem política. Fora da política, na verdade, existem dois caminhos. Um deles a tirania. Vide as manifestações de grupelhos patrocinados por gente mal-informada pedindo intervenção militar. O outro o populismo, perfil em que alguns dos pré-candidatos à presidência poderia se encaixar perfeitamente.

Há como estimular, incentivar as pessoas a exercer o seu direito de escolher o futuro presidente do país? Difícil, embora não impossível. Teremos, como disse algumas vezes no Blog, uma das campanhas mais curtas dos últimos tempos na televisão e no rádio, veículos que têm papel fundamental para apresentar aos eleitores não só os candidatos, mas, especialmente, suas propostas.

E qual seria a alternativa?

Que os meios de comunicação, especialmente as televisões, abram espaço, em horário nobre, e promovam vários debates com os presidenciáveis, já a partir de julho, uma maneira de tentar convencer essa multidão de desiludidos de que o seu voto pode fazer a diferença. Motivos não faltam para que estejamos, de fato, insatisfeitos com uma grande parcela dos nossos políticos. Vamos, então, trocá-los. Mas isso só pode ser feito dentro da política.

Paulo Vasconcelos

Deixe uma resposta